Bem vinda síndrome do pânico.

Não que eu tenha gostado da tua visita, daquelas que chegam, ficam; e a gente não sabe como mandar embora. Quantas coisas na vida são assim, né?! O único jeito é aceitar e buscar forças para melhorar. No começo eu não sabia o que fazer contigo. Não sabia porque você tinha chego, porque eu tinha sido escolhida por uma doença tão terrível, e não sabia onde te colocar no meu dia. Na verdade eu não tinha mais domínio nenhum de ti. Em poucos meses você tomou conta de mim igual um tsunami. Cancelei viagens, trabalhos, almoços de família, e deixei minhas amigas saírem sozinhas sem aviso prévio. Ninguém entendia porque eu não saía mais de casa; nem eu mesma.

Você acabou com as minhas férias. Você surtou as minhas idas à praia. É muito difícil te entender e te aceitar. É muito difícil saber que você está ao meu lado, caminhando de mãos dadas comigo, e a única coisa que eu posso fazer é tentar te afundar no oceano de frustrações que um dia você me fez conhecer. Desgraçada! Quantas vezes eu pensei em te matar. Quantas vezes eu simplesmente queria que você sumisse. Eu tentei tanto… eu suportei tanto! As pessoas nem imaginam, eu tenho certeza. E eu realmente torço para que elas nunca te conheçam, porque quem te conhece… não te esquece nunca mais.

Demorei um ano para te aceitar. Demorei um ano para te entender e virar uma guerreira de batalha contra ti. Foi só no momento em que eu te entendi, que eu tive forças para te afastar. Minha primeira consulta foi uma tortura. Me senti uma idiota. Psiquiatra, meu Deus! Será que sou eu mesma que estou aqui? Estou confusa. Remédios. Passei mal. 2 crises de pânico em 1 semana e o meu mundo caiu. Caiu não, desabou. Tudo se arruinou. Tudo que eu tinha de bom foi destruído. Dilacerado, sem dó nem piedade. Mas nesse inferno dominado exclusivamente por ti, me sobraram duas coisas boas: as pessoas ao meu redor e o amor que elas carregavam no peito.

Mas sabe que mesmo nas enormes dificuldades eu nunca tive dúvidas de que Deus é incrivelmente perfeito. Ele não faz um corpo vazio. Quando eu caí, alguém me levantou. Minha família se uniu feito um ímã. Meus amigos me pegaram no colo como se eu fosse um bebê. No meio da maior luta que eu trilhei contra eu mesma, eu descobri que os outros poderiam ser os responsáveis pela minha cura. Segui o tratamento ao pé da letra. Os remédios me fizeram ir e voltar, do inferno ao paraíso, em alguns meses. Surtei, surtei e surtei. Até que, finalmente, eu melhorei. Nunca questionei a tua chegada, mas saí do fundo desse poço com uma certeza absoluta: os remédios equilibram o nosso corpo, mas o amor cura a nossa alma.

sindrome-do-panico-relato-suh-riediger-blog-vittamina

 

Anúncios

Vamos voltar a conversar?

Eu sei, eu sei que passei alguns meses sumida. E para quem me acompanha nas redes sociais ( Snap, Instagram e Facebook: @suhriediger) já sabe o porque: acabei ficando seriamente doente e ainda estou fazendo um tratamento de saúde um pouquinho complicado. O início da medicação me fez passar muuuito mal e fui obrigada a ficar afastada durante um tempão. Mas isso tudo eu conto logo logo em outro post, que ainda estou tomando fôlego para conseguir terminar de escrever e abrir de vez meu coração para vocês, como sempre fiz.

Então hoje começamos um novo clico de posts por aqui; estamos com layout novo na página, a Vitta já completou seus 7 anos, a Martina está quase completando seus 4, e eu continuo sendo aquela mãezona de sempre. Ou quem sabe agora um pouco mais madura aqui do outro lado da tela! O meu modo de caminhar com as meninas continua o mesmo, porém depois de escrever tantas páginas de sofrimento durante esse meu ano, consigo afirmar que a maneira de pensar, agir e me comunicar talvez tenha mudado um pouco. Um pouco não, bastante.

Bom, a Vitta já está me cobrando as fotos de looks dela. Vocês já estavam super ansiosas para saber tudo o que aconteceu. E eu… Eu estou aqui morrendo de saudades de conversar com todo mundo!!! Esse aqui é o meu mundo, parte do meu trabalho, e um enorme pedaço da minha felicidade diária. Eu amo trocar as nossas figurinhas e filosofar sobre as teorias desse mundo. Minha vida entrou em uma nova fase, e eu estou aqui esperando cada uma de vocês para caminhar novamente junto comigo! Vamos???

suh riediger filhas vitta e martina blog vittamina